AO VIVO
Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Busca
Cuiabá
41ºmax
25ºmin
Correios Celular - Mobile
Política

Por unanimidade, TRE torna Crivella inelegível até 2026

A sessão foi realizada nesta quinta-feira

24 setembro 2020 - 16h34Por Paulo Toledo

Os planos de Marcelo Crivella para continuar à frente da Prefeitura do Rio de Janeiro podem estar comprometidos. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro, por unanimidade, tornou o político inelegível por 8 anos, por abuso de poder político. A sessão realizada nesta quinta-feira (24) foi continuação do julgamento iniciado na última segunda-feira (21), que foi interrompido por pedido de vista do desembargador Vitor Marcelo Rodrigues.

Com o voto favorável ao do relator, dado logo no início da sessão, o resultado ficou em 7 x 0 contra o prefeito do Rio, condenado pela realização de um evento político ocorrido em 2018, quando funcionários públicos foram levados em carros oficiais.

Crivella foi condenado por abuso de poder político, pela participação de funcionários da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) em um encontro de apoio a seu filho, Marcelo Hodges Crivella, que concorria a deputado federal, mas não se elegeu. O prefeito também foi condenado ao pagamento de multa no valor de R$ 106 mil. A condenação à inelegibilidade pelos próximos 8 anos conta a partir de 2018.

A prefeitura já havia se manifestado em nota, na última segunda-feira (21), adiantando que o prefeito vai recorrer da decisão, que poderá ser junto ao Tribunal Superior Eleitoral.

 

*Com informações da Agência Brasil

Leia Também

Professor desaparecido é encontrado morto em São Luís  do Maranhão
Geral
Professor desaparecido é encontrado morto em São Luís do Maranhão
Covid-19: SP começa a aplicar dose de reforço em imunossuprimidos
Saúde
Covid-19: SP começa a aplicar dose de reforço em imunossuprimidos
Começam a valer hoje novas alíquotas do IOF
Economia
Começam a valer hoje novas alíquotas do IOF
Liberdade
Alexandre de Moraes revogou de ofício prisão de jornalista Oswaldo Eustáquio
O ministro determinou a revogação do mandado no dia 9 de setembro sem consultar a PGR por não existirem mais requisitos fáticos necessário à manutenção da prisão. A defesa de Zé Trovão aguarda pela mesma medida para os próximos dias