AO VIVO
Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Busca
Cuiabá
41ºmax
25ºmin
Correios Celular - Mobile
Política

Entidades propõem reservar 50% das vagas em parlamentos para mulheres

Projeto prevê que metade da cota seja destinada a negras

04 outubro 2020 - 18h00

Um grupo de entidades da sociedade civil, em parceria com o Ministério Público de São Paulo (MPSP), lançou um anteprojeto de lei que propõe a reserva de 50% das cadeiras dos parlamentos para mulheres. Pela proposta, metade da cota será destinada a mulheres negras.

O texto estabelece ainda que as candidatas recebam o dobro de recursos que os candidatos homens obtêm do Fundo Eleitoral.

“Mais mulheres na política é uma questão de igualdade, e a igualdade pressupõe pluralidade”, destacou Lídia Passos, subprocuradora-geral de Justiça do MPSP.

As entidades que subscrevem o anteprojeto de lei, em parceria com o MPSP, são Vote Nelas; Grupo Mulheres do Brasil; A Fala/Visibilidade Feminina; APPCívico; Elas na Política; Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE/SP); Mulher Ação; Mulheres com Direito; Rede Feminista de Juristas e Mulheres Negras Decidem, além do Grupo de Estudos de Gênero e Política da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com a proposta, a reserva de vagas ocorrerá para as cadeiras de deputados federais, estaduais e distritais. O anteprojeto é um texto-base que, a partir de agora, será levado para a Câmara dos Deputados e assembleias legislativas estaduais e distritais, onde poderá ser transformado em um projeto de lei.

*Agência Brasil

Leia Também

Professor desaparecido é encontrado morto em São Luís  do Maranhão
Geral
Professor desaparecido é encontrado morto em São Luís do Maranhão
Covid-19: SP começa a aplicar dose de reforço em imunossuprimidos
Saúde
Covid-19: SP começa a aplicar dose de reforço em imunossuprimidos
Começam a valer hoje novas alíquotas do IOF
Economia
Começam a valer hoje novas alíquotas do IOF
Liberdade
Alexandre de Moraes revogou de ofício prisão de jornalista Oswaldo Eustáquio
O ministro determinou a revogação do mandado no dia 9 de setembro sem consultar a PGR por não existirem mais requisitos fáticos necessário à manutenção da prisão. A defesa de Zé Trovão aguarda pela mesma medida para os próximos dias